Triste seria

large (1).jpg

 

Constantemente partes de mim voam pelos céus e passarinhos as levam sem nem previsão para a volta. E eu tenho medo. Constantemente essas partes de mim se perdem e sei que nunca mais as terei de volta. Nunca as tive. Se foram. As coisas vão sem previsão de retorno. Os sentimentos se vão sem nem termos certeza do que será. Eu não sabia o que seria de mim. Eu sinto medo. Eu sempre senti medo. Como se eu estivesse presa em um mundo que não era para ser o meu mundo.

Triste seria se eu não tivesse te encontrado. E mais triste seria se eu não tivesse te esperado. Mas eu sou paciente quando o assunto é sentir, e tu sabes muito bem disso. Partes de mim teriam se perdido pelo caminho e nada mais seria o mesmo. Mas sorte que te encontrei. Ou não tanta sorte assim. Acho que não existe sorte quando o assunto é sentir o real quando esse tal de real, é um sentimento que me aquece de forma com que me sinta em frente a uma lareira em nossa pequena cabana no inverno. E por mais que, talvez, pequenas partículas de mim tenham ficado pelo caminho, sinto-me mais completa: como se tu tivesse pego e trazido eu de volta para mim mesma. Eu me encontrei. Estranho ainda seria se não tivesse me encontrado. Sempre esperei pela bússola, e meio que havia desistido dela. A maior certeza de todas agora é que eu desisti de vez de me encontrar sozinha. Porque agora tenho as tuas palavras pra me ajudarem nessa busca incessante que é não me perder.

Anúncios

Avesso

large.jpg

Eu quero estar junto até quando não estou. Sei que pode soar estranho mas eu só quero que perceba que estar perto pode ser estar dentro da minha alma mesmo e isso já aquece boa parte do meu coração de uma forma que nunca aconteceu antes. É louco pensar em como as coisas podem acontecer dessa forma, mas o melhor de tudo isso é saber que tudo segue louco como a gente mesmo. Tudo doido como a gente. Constantemente as coisas podem não estar organizadas dentro de nós, mas a gente se bagunça da nossa forma, e eu com certeza não me importo com essa bagunça. Não mais.

Eu não me importo mais com horas, se o dia faz sol ou chuva. Eu não me importo se o mundo está virado do avesso. Eu não me importo se algo não deu certo. Nada mais parece o mesmo. Sinto que o que realmente importa é sentir. Sentir as palavras, o silêncio, as conversas incansáveis e até mesmo as canções. O que importa é dizer a todo minuto que nada parece o mesmo e que o meu mundo ficou mais colorido.

E sim, é possível que ele tenha ficado muito mais vivo agora. É possível que talvez até as libélulas consigam sentir meu sorriso e me sorrirem de volta.

Eu sei, é estranho. Tá tudo estranho mesmo. E é um estranho bom de sentir. É um estranho que me aquece. É um estranho que não quero perder.